24 de março de 2017  

Índios


TI Awá é outro grande motivo de comemoração
[20/04/2005 19:02]


Depois de décadas de conflitos no papel e no chão, finalmente foi concluído o processo de reconhecimento dessa Terra Indígena no Maranhão. A despeito de estar invadida por centenas de posseiros e madeireiros, a terra dos Awá-Guajá tinha como principal antagonista a empresa Agropecuária Alto Turiaçu, que moveu uma série de ações judiciais contra sua demarcação reivindicando a posse de 37.980 hectares de um total de 118 mil.


A homologação da Terra Indígena Raposa-Serra do Sol tornou histórica esta “Semana do Índio”. Mas esse importante final para o movimento indígena não deve tirar o brilho de outra monumental canetada do presidente Lula ontem, 19/4: a homologação da TI Awá, no Maranhão, ao cabo de uma trama menos noticiada, mas bastante conflituosa.

Povo de contato intermitente com a sociedade não-indígena, com um modo de vida despojado e de extrema mobilidade, os Awá-Guajá há pelo menos 50 anos vinham sofrendo as conseqüências do desmatamento e da invasão de suas terras por mais de 200 ocupações de não-indígenas. Lavradores piauienses, maranhenses e de outros estados do Nordeste, expulsos de suas terras, subiram o rio em direção à região. Do sul vieram os fazendeiros de Goiás e Minas Gerais. Os madeireiros, de toda parte, além da poderosa Agropecuária Alto Turiaçu. E, cortando todo o território, a rodovia BR-222, ligando Santa Inês a Imperatriz, e a Ferrovia Carajás do projeto Grande Carajás da Companhia Vale do Rio Doce (CVRD). Ambas trouxeram novas condições para a ocupação da região, aumentando o número de fazendas e povoados.

O antropólogo Mércio Gomes, hoje presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), foi quem propôs a demarcação de uma área exclusiva para os grupos Guajá. Os primeiros estudos são de 1985. Clique aqui para saber mais sobre a história dessa TI.

Além da vitória que representa para os Guajá, a homologação da TI configura mais um mosaico de áreas protegidas no mapa do Brasil, já que ela estrategicamente faz a ligação entre as TIs contíguas Alto Turiaçu (dos Kaapor, com 530 mil hectares), Caru (dos Guajajara, com 172 mil hectares) e a Reserva Biológia Gurupi (de 341 mil hectares). Pela mobilidade que caracteriza seu modo de ocupação, os Guajá circulam por todas essas áreas. Saiba mais sobre esse povo indígena.

 

ISA, Uirá Felipe Garcia e Valéria Macedo.