19 de outubro de 2017  

Índios


Davi Kopenawa entrega documento à Presidência da República cobrando mais uma vez retirada de garimpeiros
[15/03/2012 18:47]


No ano que a Terra Indígena Yanomami completa 20 anos de homologação, líder yanomami intensifica campanha no Brasil e exterior contra invasão garimpeira


O líder yanomami e presidente da HAY (Hutukara Associação Yanomami), Davi Kopenawa, voltou a exigir da Funai (Fundação Nacional do Índio) e da Secretaria Geral da Presidência da República o fim do garimpo e a retirada dos fazendeiros da região conhecida como Ajarani, no leste da TI (Terra Indígena) Yanomami (AM/RR).

Kopenawa fez a cobrança na segunda-feira (12/3), na 41ª Assembleia Geral dos Povos Indígenas de Roraima, realizada pelo CIR (Conselho Indígena de Roraima), nesta semana. Ele entregou um documento com a reivindicação, destinado à presidenta Dilma Rousseff, ao secretário de Articulação Social da Secretaria Geral da Presidência, Paulo Maldos (leia o documento).

Maldos (E) recebe o documento com reivindicação de retirada de garimpeiros da TI Yanomami das mãos de Davi Yanomami


No ano passado, outro documento já havia sido entregue à Secretaria, com a mesma reivindicação. De lá para cá, o governo realizou algumas operações da Polícia Federal e do Exercito para retirar garimpeiros, mas eles continuam agindo. A informação é que os financiadores que sustentam o garimpo em Boa Vista (RR) continuam sem ser atingidos pelas operações policiais (veja mais).

Maldos colocou-se à disposição para encaminhar à Funai, ministérios e outros órgãos as reivindicações de Kopenawa e outras que serão listadas pela carta dos participantes da assembleia, que termina no dia 17. A Secretaria tem entre as suas funções justamente promover o diálogo entre órgãos públicos para encontrar e agilizar soluções para problemas enfrentados pelos movimentos sociais.

Filme retrata luta yanomammi

A luta de Davi Kopenawa foi tema da 10ª Edição do Festival Internacional de Filmes e Fórum de Direitos Humanos, realizado na semana passada, em Genebra, Suíça.

O filme “Indiens em sursis”, do diretor Daniel Schweizer, foi exibido no evento, no dia 4/3. A obra conta como povos como os Yanomami e os Kayapó enfrentam a destruição das florestas em que vivem.

A produção é da OMCT (Organização Mundial contra a Tortura), que escolheu Kopenawa como destaque no projeto Defensores de Direitos Humanos, no ano passado.

O jornalista Jean-Philippe Ceppi, da revista Temps Present, e Davi Yanomami no debate em Genebra


A convite da OMCT, Kopenawa participou de alguns painéis do evento, entre eles o que discutiu os riscos e desafios enfrentados por defensores de direitos humanos que trabalham em defesa da terra e do meio ambiente.

A discussão contou com a participação de Margaret Sekaggya, relatora especial sobre Defensores de Direitos Humanos da ONU (Organização das Nações Unidas); Idun Tvedt, da Seção de Direitos Humanos e Democracia do Ministério das Relações Exteriores da Noruega; e João Paulo Charleaux, jornalista da Conectas Direitos Humanos.

Kopenawa também participou do debate sobre as consequências do desenvolvimento econômico, principalmente o impacto de obras de infraestrutura, sobre os povos indígenas. O painel discutiu as medidas que os Estados devem tomar para assegurar os direitos dos povos indígenas e conciliar o desenvolvimento econômico e suas obrigações internacionais sobre o assunto.

Essa segunda discussão teve a presença de Gilles Marchand, diretor da emissora de TV RTS; Gerald Staberock, secretário geral da OMCT; Santiago A. Canton, secretário executivo da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA (Organização dos Estados Americanos); e Jean Ziegler, vice-presidente do Comitê Consultivo do Conselho de Direitos Humanos.

Após exibição do filme, foi colocado à disposição do público um abaixo-assinado que pede a retirada dos garimpos da TI Yanomami. O documento foi elaborado pela OMCT, Survival International, HAY e ISA (veja aqui).

O lançamento do filme e a presença de Davi Kopenawa em Genebra fazem parte das atividades em comemoração aos 20 anos da demarcação da TI Yanomami, desenvolvidas pela Hay, ISA e seus parceiros. O objetivo é contar principalmente aos jovens a luta pela demarcação da TI Yanomami e dar visibilidade à importância da garantia da terra para os povos Yanomami e Ye´kuana que vivem no Brasil.

 

ISA, Ana Paula Caldeira Souto Maior.